7 Dicas para uma Casa com inspiração Francesa

Acredito que o charme de uma casa francesa no campo é algo que vive no imaginário de muitos de nós, seja uma casa na Provence, nos Pirinéus ou mesmo na Bretanha.

Existem certos aspectos distintos que nos saltam à vista, trazendo aquele je ne sais quoi tão típico de uma casa francesa.

Por estes dias, tenho o prazer de estar a passar uns dias de férias numa destas casas!

Localizada numa aldeia no Parque Natural dos Pyrénées Ariégeoises, a casa dos meus amigos de longa data – a Guida (portuguesa) e o Jorge (espanhol) que vivem em França há mais de 10 anos – é uma típica casa de montanha que subtilmente nos lembra o mediterrâneo.

Sala Occitania- Doula das Casas

Nesta pequena aldeia vivem só 7 famílias. A casa dos meus amigos tem uma história muito particular pois ela em si é um conjunto de casas que existiam noutros tempos.  

Uma parte da casa era a antiga escola primária da aldeia, onde se reuniam as crianças dos arredores, muitas delas a percorrerem umas boas horas de caminhada para até aqui chegarem. Outra zona da casa era a casa de um senhor que se sentava num banco na rua com o seu métier de fazedor de cestos. E uma outra parte da casa era onde habitava uma senhora que se dedicava a fazer compotas e conservas. 

Os antigos proprietários da casa renovaram este conjunto de casas que se encontravam em ruínas criando assim uma casa única com uma sala de estar com mezzanine, cozinha e sala de refeições, lavandaria, três quartos, três quartos de banho, duas salas closet e um atelier em três pisos distintos, com áreas bem generosas. 

Porta para o jardim - Doula das Casas

Os quartos estão muito bem equipados com armários e o gosto pela organização da Guida vê-se bem no modo como usa com muita eficácia os espaços que existem. Mantendo um equilíbrio maravilhoso entre a funcionalidade, leveza e estética.  

Uma casa com tantas vivências é sem dúvida um espaço que carrega muitas histórias e este casal honra todo esse caminho com pequenos pormenores por toda a casa.

O banco comprado numa loja de antiguidades e colocado no mesmo sítio onde o cesteiro se sentava, dando agora espaço a quem chega das caminhadas e precisa de descansar… os recortes de jornal emoldurados que falam da escola e das professoras primárias de tempos passados…

 

Banco - Doula das Casas

E as elas se junta também a história desta família com objectos que enriquecem o espaço com as suas memórias, origens e gostos particularmente por peças de artistas locais que tanto valor adicionam à riqueza deste espaço.  

Mais do que a preocupação em seguir as “regras de decoração” é a sensação visceral que se tem ao entrar na casa que importa. E as sensações que me inundaram ao entrar na casa foram as de conforto, acolhimento, nutrição, espaço, tranquilidade e respeito pela ancestralidade e cultura local!

cozinha francesa- Doula das Casas

Para que te inspires a trazer este je ne sais quoi francês para a tua casa, partilho algumas dicas, que na minha opinião podem mimar e elevar a casa, tanto de um ponto de vista estético como energético.

Menos é mais

Apesar de não ser uma casa minimalista, a quantidade de objectos e o modo como são dispostos é o essencial para transmitir conforto e respeito pela vivência da casa e de quem nela habita.

Procura manter só peças decorativas essenciais em pequenos grupos de três a cinco, mantendo espaço vazio para que tudo respire. 

Manter peças de família

Manter peças de família e dos antigos proprietários como por exemplo mesas de madeira, serviços de chá que são mesmo usados,  cadeiras e alguns objectos de uso que representam as linhagens ancestrais e se integram com as peças actuais e modernas da casa. Algumas peças podem ser pintadas, outras simplesmente deixadas com o peso dos seus anos de vida à vista.

Incorporar peças de artistas locais

Sempre escolhendo objectos que tocam coração de quem habita a casa, enriquecendo as diferentes divisões da mesma. Aqui destaco por exemplo estas colheres criadas por uma artista que vive aqui ao lado – a Emilie Passal – que se misturam na cozinha com as frigideiras. São simplesmente uma delícia!

Arte na cozinha- Doula das Casas

Cestos e mais cestos 

Uns com funções bem específicas, como para guardar a lenha junto da salamandra, uma planta ou organizar os pacotes abertos e em uso na despensa, mas também, simplesmente utilizados como elementos decorativos. 

 

cesto- doula das casas

Armário para queijo (e não só)

Esta peça aqui chamada de garde manger rustique, também conhecida em algumas casa portuguesas, é usada para guardar os alimentos e manter-los protegidos dos insectos. Não só para guardar queijo, mas também o pão e os bolos!  E pendurada na parede fica um mimo! 

Queijeira- Doula das Casas

Cuidar e elevar os espaços exteriores

Seja um pequeno pátio, telheiro ou jardim não falta uma mesa de refeições externa e alguma decoração. Sejam elas peças antigas reutilizadas, peças DIY – como a mesa de tronco e pés de metal feita pela Guida e pelo seu filho Daniel – ou pequenos objectos decorativos que se encontram pelo jardim e que lhe trazem toda uma outra vida.

Um pormenor importante é a limpeza e organização do espaço exterior… nada de pilhas de tralhas por deitar fora. Guardar materiais para reutilizar sim – como as madeiras do antigo telheiro que foi re-feito – mas tudo bem organizado na sua “casinha”. 

Casa francesa - Doula das Casas

Visitas ao Brocante 

Feiras de velharias, lojas de venda em segunda mão…parece um passatempo nacional a procura de objectos utilitários e decorativos antigos.

Talvez a importância que os franceses dão à união do novo e do antigo, a importância das peças vintage nas casas, recriando funções e honrando o passado, seja o motivo pelo qual, na pequena cidade mais próxima tenha visitado 4 locais distintos de venda de peças em segunda mão! Partilharei mais sobre este tema num próximo artigo.

Acredito que ao seguir o coração, trabalhando com a casa de um modo consciente, vamos criar uma conexão bonita com a nossa casa e vamos torná-la um local confortável e de nutrição, onde estejamos rodeados de beleza. E fazê-lo impacta tanto o nosso bem estar físico, emocional, energético e espiritual.  

Quando nos ligamos a algo, cuidamos com carinho.

E ao fazê-lo com a casa, estamos também a fazê-lo connosco mesmos, cuidando e nutrindo, criando assim um espaço tranquilo e sagrado para toda a família.

Gostaste?

Qual a(s) dica(s) que irás levar contigo?

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Organizadora Profissional

Sou a Margarida, Doula das Casas, Especialista em Organização de Espaços residenciais e empresariais. A Acredito que ao organizar fora estamos também a organizar dentro; que ao deixarmos ir o que já não serve, estamos a abrir espaço para o novo; que ao respirar e alongar, deixamos que a nossa casa e o nosso corpo se liberte do que bloqueia e que tudo passe a ser mais fluído…